feijão com doença de Chagas

Feijão com Doença de Chagas

Essa “notícia” já circula na internet desde 2009, mas recentemente vi uma nova versão dela no facebook, com o seguinte texto: << Perigo no Feijão Cuidado ao manusearem feijão cru!!! Por via das dúvidas vale a pena abrir o saco, colocar os feijões em uma bacia sem manuseá-los,  deixar de molho com vinagre por 15 a 20 minutos (insetos não sobrevivem mais que isto molhados) para depois catarem o feijão. Como se não bastasse a gripe suína, lá vem mais bomba!!! Matéria divulgada em vários sites de Agricultura, porém foi misteriosamente tirada do ar.  Confirmado na última semana o 83º caso de Chagas contraído a partir do Feijão servido nas refeições dos brasileiros.  Pelo que foi divulgado pela mídia especializada, toda a colheita entregue por uma cooperativa de plantadores de feijão (COOVENF) está contaminada com o protozoário da doença de Chagas (tripanosoma cruzi), oriunda do Barbeiro.  A doença se alastrou com rapidez, pois a cooperativa atende a mais de 18 empresas que embalam o Feijão e o distribuem  para todo Norte, Centro Oeste e Sudeste do Brasil. Inseto em forma de ninfa no lote de feijão. O que é mais alarmante é que foi constatado que os lotes NÃO foram tirados de circulação, fazendo com que o número de infectados aumente a cada semana.  Feijão contaminado. É sabido que já se contraiu CHAGAS a partir dos tipos carioquinha, jalo e preto, uma vez que todos são originários da mesma Cooperativa.  A maioria dos doentes estão no sul do estado de Goiás, São Paulo e Minas, porém sabe-se que há casos no Acre, Tocantins, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul.  Profissional da UNIUPS examina várias embalagens de feijão contaminadas. Infectologistas estão recomendando que se troque temporariamente o feijão por Canjica ou Grão de Bico (imunes ao Chagas) porém, se for indispensável o uso do grão do feijão nas refeições, aconselham que use 2 colheres de vinagre no feijão que deverá ficar de molho por 15 minutos.  Repasse aos amigos, pois isso é muito perigoso! >>

 


Bom, esse tipo de texto apresenta muitas características típicas de hoax: não é assinado, não cita fontes nem datas, tem tendência conspiratória e etc. O que chama atenção, logo de cara, é que as duas entidades citadas, COOVENF e UNIUPS, não existem. Há, inclusive, outras versões do boato em que se citam outras universidades e/ou profissionais que igualmente não existem (a não ser em reproduções da hoax), ou então que existem mas já deram esclarecimentos afirmando que nunca divulgaram o fato que lhes é atribuído. Mas vamos em frente com a análise: O causador da doença de Chagas é o protozoário Trypanosoma cruzi, o qual geralmente é transmitido por insetos vetores pertencentes à família dos reduvídeos, chamados popularmente de barbeiros. Esses insetos se alimentam exclusivamente de sangue, independente do sexo e da fase de desenvolvimento (a transmissão se dá através de suas fezes contaminadas, já que defecam próximo à picada). Exatamente por esse motivo, os barbeiros não sobreviveriam muito tempo em uma saca de feijões, já que não se alimentam desse (nem de qualquer outro) grão. Sendo assim, não há o risco de contrair a doença nem mesmo por picadas durante a manipulação e lavagem dos grãos crus. Os barbeiros não são pragas nativas de nenhuma espécie de feijão e os insetos que aparecem nas imagens veiculadas são na verdades coleópteros chamados gorgulhos, mais conhecidos como carunchos. Essa sim é uma praga autóctone de vários cereais e leguminosas, alimentando-se dos grãos e deixando nesses marcas esburacadas, às vezes chamadas popularmente de “brocas“. O caruncho pode até danificar a colheita do feijão, baixando a produtividade e a qualidade do alimento, mas não é vetor do Trypanosoma cruzi e nem de outros parasitas. Entretanto, existem sim outras forma de contágio da doença de Chagas, como transfusões de sangue, transmissão de mãe para filho, relações sexuais, etc. Nos últimos anos, houve casos na mídia de transmissão por barbeiros infectados presentes em açaí e cana-de-açúcar, que eram triturados junto com o alimento e ingeridos. Apesar de o protozoário não sobreviver à digestão, ele pode penetrar no sangue do hospedeiro através da mucosa bucal, levando ao desenvolvimento da doença. A principal diferença entre esses casos e o alegado sobre a leguminosa é que os anteriores eram preparados crus, ao passo em que o feijão sempre é cozido em altas temperaturas, muitas vezes por longo tempo e/ou sob pressão – condições suficientes para destruir até mesmo o mais resistente dos patógenos. Ou seja, mesmo que o feijão estivesse contaminado, o próprio cozimento dos grãos seria suficiente para eliminar completamente os parasitas, acabando com a possibilidade de se contrair a doença de Chagas por essa fonte.

 

Fontes:

spacer

5 comments on “Feijão com Doença de Chagas

  1. pedromenchik

    Obrigado!
    Volte sempre e continue participando 🙂

  2. Samanta Audibert

    É verdade. É desnecessário se preocupar com o feijão em relaçao a chagas porque é extremamente dificil, se nao impossivel, pelas coisas que voce disse. Um alimento tão importante, se não essencial, para a nossa alimentação seria absurdo deixar-mos de comer por isso. Só ter os cuidados normais que ja tomamos, comprar uma marca com mais credibilidade, catar e etc..
    Gostei do blog, nao conhecia.. 🙂

  3. pedromenchik

    Obrigado pela sua contribuição Samanta.
    Na verdade, a única maneira se você pegar a doença pelo toque é se tiver algum tipo de machucado aberto na sua mão, pois o protozoário só se transmite através da corrente sanguínea.
    De qualquer forma, o barbeiro precisa se alimentar para defecar, mas ele não sobrevive numa saca de feijão fechada (e nem se alimenta do grão). Então só haveria 2 possibilidades:
    1) O barbeiro foi pro feijão na sua casa, depois que você abriu o saco. Nesse caso, significa que pode haver um ninho do vetor na sua casa ou em alguma região próxima (troque por rato, se quiser). Aqui, é muito mais preocupante que o barbeiro transmita a doença diretamente no ato da picada do que no evento improvável de se esconder no feijão
    2) O saco não estava completamente fechado no mercado (ou antes, na armazenagem e distribuição). Nesse caso, o feijão é suscetível a inúmeros parasitas próprios, como os carunchos que eu descrevi no texto, ou fungos. O grão irá ficar visivelmente deteriorado e nenhum consumidor vai querer adquirir o produto.

  4. Samanta Audibert

    concordo que a informacao passada é falsa, mas se a transmissao do chagas é através das fezes do barbeiro e o toque da mão pode transmitir, então não é preciso comer para pegar, dá para pegar sim antes de cozinhar só em toca-los com a mao. Outra coisa.. No site da FIOCRUZ diz que a transmissão do barbeiro pode ser feita através de ratos, pois também é hospedeiro, e que se a armazenagem do feijão não for adequada pode atrair esses ratos e aumentar as infecções..
    Site da fiocruz:
    http://www.fiocruz.br/chagas/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?sid=83
    Porém, o exemplo que deram foi da armazenagem do produto em casa e tal.. Mas acredito que uma mal armazenagem em outro lugar também seja perigoso.

    De qualquer forma é óbvio que esse texto divulgado é falso, até porque pelo que eu sei a doença demora anos para desenvolver sintomas e ser descoberta.. Não faz sentido descobrir uma disseminação da doença agora…

  5. Natasha

    Eu me lembro desses casos do açaí e da cana de açúcar!
    E também me chamou a atenção o nome UNIUPS! Outra coisa que seria estranha é que essa informação não fosse divulgada por algum tipo de interesse, já que o feijão é um alimento essencial nas refeições cotidianas dos brasileiros. Se chegaram a divulgar casos de doenças em outros alimentos (açaí, cana), é muito provável que divulgassem no caso do feijão também (se fosse verdade, é claro), pelo fato de ser uma questão de saúde pública!
    Muito bom o post!
    Beijos!