nuggets

Nuggets Feitos de Meleca Rosa

A polêmica envolvendo os nuggets de frango já existe há algum tempo, mas parece sempre voltar a nos assombrar em nossas caixas de e-mail e redes sociais, geralmente acompanhada da seguinte foto:

meleca_rosa

<< O que essa foto de sorvete está fazendo numa resposta sobre nuggets? Surpresa – isso não é sorvete. 🙂 Anote a receita:

Ingredientes: tudo que sobrou de um frango. Sim: olhos, ossos, patas, miúdos, bico, etc.

Como fazer: triture tudo bem trituradinho até que vire essa massa rosada e cremosa parecida com um sorvete. Para tirar as bactérias, inclua amônia (sim, a mesma de produtos de limpeza) na receita.

Como servir: vai ficar muito fedido, então coloque um aromatizante para disfarçar e um pigmento para dar uma cor mais próxima à de carne mesmo. Corte em pedaços, empane, frite e sirva.

O nugget é o reaproveitamento de muito material que seria desperdiçado. A ciência de alimentos também inclui aumentar a quantidade de comida produzida tornando atraente partes, digamos, não tão atraentes.

Vai um nugget aí? >>


Bom, vamos lá. Esse caso é bem parecido com o post da salsicha, já que os nuggets de frango são feitos de CMS (carne mecanicamente separada) da ave. Para quem não acompanha meu blog, CMS compreende os retalhos de carne que sobram após a retirada dos cortes nobres do animal (peito, coxa, etc), a qual é separada dos ossos em máquinas específicas, e não inclui vísceras ou olhos, mas sim partes de pescoço, rosto e costas. No contexto de se aproveitar o máximo possível de um animal após seu abate, temos na CMS uma proteína barata e de boa qualidade, que poderá ser industrializada e transformada em outro produto, em contraste com os cortes nobres que serão vendidos como peças in natura ou congeladas. Veja outro caso semelhante neste post.

Voltando ao processo, os retalhos de carne de frango são esmagados mecanicamente e tratados com solução diluída de hidróxido de amônio, que é um aditivo antimicrobiano autorizado e reconhecido como seguro pela legislação nacional e internacional (vide post do Jamie Oliver). O argumento de que é a mesma amônia dos produtos de limpeza é nulo: a água que bebemos também é a mesma da urina do rato. Como eu já ilustrei no post do Activia, identidade não significa procedência.

Na verdade, esse tratamento é o que gera a coloração rosa apresentada na foto. Isso ocorre pois o nitrogênio do hidróxido de amônio se liga com o pigmento natural presente nos músculos do frango, a mioglobina, que por sua vez está presente em maior quantidade nas carnes menos nobres e/ou próximas aos ossos (motivo pelo qual essa costuma ser mais escura do que o peito, por exemplo). A reação química é semelhante àquela que ocorre na fabricação de produtos como o presunto, na qual nitritos e nitratos se ligam à mioglobina da carne suína.

Entretanto, diferentemente do caso do presunto, a tonalidade rosada não é associada, pelos consumidores, a um produto feito de frango. Por isso, utiliza-se corantes no produto, todos seguros e permitidos pela ANVISA. Esses aditivos, além dos aromatizantes e flavorizantes, não são prerrogativa dos nuggets, sendo utilizados em diversos produtos alimentícios e regulados por legislações específicas. Resumindo: o processo inteiro de fabricação dos nuggets de frango é higiênico, e não há nenhum problema de segurança com o produto.

Sobre a alegação de que a “meleca rosa” seria nojenta, acredito se tratar de uma questão cultural. Por exemplo: a alface orgânica utiliza fezes bovinas como adubo; já iogurtes e cervejas ganham seu sabor de dejetos de bactérias e fungos que decompõem o leite e os cereais (respectivamente). Uma pessoa pode rejeitar os nuggets alegando (erroneamente) que contém vísceras e, no dia seguinte, comer churrasquinho de coração – esse sim uma víscera de frango.

 

Fontes:

PS: Para mais fontes, vejam os posts referidos ao longo do texto

spacer

10 comments on “Nuggets Feitos de Meleca Rosa

  1. Patricia Sellmann

    A ignorância é uma arma perigosa. Agradeço pelo esclarecimento. Bom seria se todos pudessem ter esse tipo de informação. Obrigada mais uma vez. Até porque eu adoro nuggets.

    1. Pedro Menchik

      Achei bem legal, Gustavo. É parte de uma série de vídeos do Mc. Donald’s que trata dessa e de outras polêmicas envolvendo a rede no Canadá.

    2. Daniel

      Nossa! Completamente diferente!
      Como gostam de fazer sensacionalismo!

  2. Pingback: Jujubas de Carne | Alimentando a Discussão

  3. Deise

    Existe uma grande diferença entre comer um churrasquinho de coração de frango e restos de frango triturados: o primeiro não precisa de um antimicrobiano.

    1. pedromenchik

      TODO alimento possui micro-organismos. Se esse alimento não passa por um tratamento (térmico, químico, etc) logo após o abate (ou colheita, no caso dos vegetais), esses micro-organismos irão deteriorá-lo. Claro que a taxa dessa deterioração irá depender da composição do alimento, como pH, teor de água, açúcares e gorduras, dentre outros. Mas a composição do coração de frango é muito semelhante à do CMS, então ambos têm o mesmo “potencial de estragar”
      “Precisar” ou não de antimicrobiano depende do tipo de alimento e do uso que será dado a ele. Um coração de frango tem validade menor do que um dia, pois é vendido fresco e deve ser consumido prontamente. Se nós consumíssemos CMS também na forma fresca, não seria necessário a utilização de um antimicrobiano; entretanto, esse alimento será industrializado, passando a compor um produto que tem validade estendida. Isso porque, para a carne fresca, temos opções de cortes nobres. Se utilizarmos o coração para um destino industrial, provavelmente ele irá precisar de antimicrobiano também.
      Enfim, muitos dos alimentos industrializados que consumimos possuem conservantes ou outros aditivos que impedem a proliferação de micro-organismos deteriorantes. Isso não os torna nojentos, e muito menos inseguros.

  4. João Pedro

    Incrível a historia da melca rosa, mas eu ouvi uma história que dizia que os nuggets e a salsicha faziam mal para a saúde, pois eram compostas de partes de animais(bois, frangos, porcos) cujo as pessoas não compram, como você disse “partes de pescoço, rosto e costas”, e eles são triturados e aromatizados e depois utilizam corante para disfarçar a cor, mas em fim seriam partes inúteis que fazem mal a saúde?

    1. pedromenchik

      João, o fato de uma carne não ser nobre não quer dizer que ela seja inútil ou faça mal à saúde. Não existe nenhum problema de higiene com a carne proveniente de pescoço, rosto ou costas, ela só não é “bonitinha” como um peito ou uma coxa, mas é uma proteína de boa qualidade

  5. Natasha

    Nunca tinha ouvido essa história!!!!! Então é feito mesmo de meleca rosa! uhauhauhauhau
    Mas olha que diferença faz um texto alarmista e um texto com informação explicada!